Podecrer Critical Thinking

No matter what walk of life you come from, what industry you’re interested in pursuing or how much experience you’ve already garnered, we’ve all seen firsthand the importance of critical thinking skills. In fact, lacking such skills can truly make or break a person’s career, as the consequences of one’s inability to process and analyze information effectively can be massive.

“The ability to think critically is more important now than it has ever been,” urges Kris Potrafka, founder and CEO of Music Firsthand. “Everything is at risk if we don’t all learn to think more critically.” If people cannot think critically, he explains, they not only lessen their prospects of climbing the ladder in their respective industries, but they also become easily susceptible to things like fraud and manipulation.

With that in mind, you’re likely wondering what you can do to make sure you’re not one of those people. Developing your critical thinking skills is something that takes concentrated work. It can be best to begin by exploring the definition of critical thinking and the skills it includes—once you do, you can then venture toward the crucial question at hand: How can I improve?

This is no easy task, which is why we aimed to help break down the basic elements of critical thinking and offer suggestions on how you can refine the skills that drive your own critical thinking abilities.

What is critical thinking?

Even if you want to be a better critical thinker, it’s hard to improve upon something you can’t define. Critical thinking is the analysis of an issue or situation and the facts, data or evidence related to it. Ideally, critical thinking is to be done objectively—meaning without influence from personal feelings, opinions or biases—and it focuses solely on factual information.

Critical thinking is a skill that allows you to make logical and informed decisions to the best of your ability. For example, a child who has not yet developed such skills might believe the Tooth Fairy left money under their pillow based on stories their parents told them. A critical thinker, however, can quickly conclude that the existence of such a thing is probably unlikely—even if there are a few bucks under their pillow.

6 Crucial critical thinking skills (and how you can improve them)

While there’s no universal standard for what skills are included in the critical thinking process, we’ve boiled it down to the following six.

1. Identification

The first step in the critical thinking process is to identify the situation or problem as well as the factors that may influence it. Once you have a clear picture of the situation and the people, groups or factors that may be influenced, you can then begin to dive deeper into an issue and its potential solutions.

How to improve: When facing any new situation, question or scenario, stop to take a mental inventory of the state of affairs and ask the following questions:

  • Who is doing what?
  • What seems to be the reason for this happening?
  • What are the end results, and how could they change? 

2. Research

When comparing arguments about an issue, independent research ability is key. Arguments are meant to be persuasive—that means the facts and figures presented in their favor might be lacking in context or come from questionable sources. The best way to combat this is independent verification; find the source of the information and evaluate.

How to improve: It can be helpful to develop an eye for unsourced claims. Does the person posing the argument offer where they got this information from? If you ask or try to find it yourself and there’s no clear answer, that should be considered a red flag. It’s also important to know that not all sources are equally valid—take the time to learn the difference between popular and scholarly articles.

3. Identifying biases

This skill can be exceedingly difficult, as even the smartest among us can fail to recognize biases. Strong critical thinkers do their best to evaluate information objectively. Think of yourself as a judge in that you want to evaluate the claims of both sides of an argument, but you’ll also need to keep in mind the biases each side may possess.

It is equally important—and arguably more difficult—to learn how to set aside your own personal biases that may cloud your judgement. “Have the courage to debate and argue with your own thoughts and assumptions,” Potrafka encourages. “This is essential for learning to see things from different viewpoints.”

How to improve: “Challenge yourself to identify the evidence that forms your beliefs, and assess whether or not your sources are credible,” offers Ruth Wilson, director of development at Brightmont Academy.

First and foremost, you must be aware that bias exists. When evaluating information or an argument, ask yourself the following:

  • Who does this benefit?
  • Does the source of this information appear to have an agenda?
  • Is the source overlooking, ignoring or leaving out information that doesn’t support its beliefs or claims?
  • Is this source using unnecessary language to sway an audience’s perception of a fact?

4. Inference

The ability to infer and draw conclusions based on the information presented to you is another important skill for mastering critical thinking. Information doesn’t always come with a summary that spells out what it means. You’ll often need to assess the information given and draw conclusions based upon raw data.

The ability to infer allows you to extrapolate and discover potential outcomes when assessing a scenario. It is also important to note that not all inferences will be correct. For example, if you read that someone weighs 260 pounds, you might infer they are overweight or unhealthy. Other data points like height and body composition, however, may alter that conclusion.

How to improve: An inference is an educated guess, and your ability to infer correctly can be polished by making a conscious effort to gather as much information as possible before jumping to conclusions. When faced with a new scenario or situation to evaluate, first try skimming for clues—things like headlines, images and prominently featured statistics—and then make a point to ask yourself what you think is going on.

5. Determining relevance

One of the most challenging parts of any critical thinking scenario is figuring out what information is the most important for your consideration. In many scenarios, you’ll be presented with information that may seem important, but it may pan out to be only a minor data point to consider.

How to improve: The best way to get better at determining relevance is by establishing a clear direction in what you’re trying to figure out. Are you tasked with finding a solution? Should you be identifying a trend? If you figure out your end goal, you can use this to inform your judgement of what is relevant.

Even with a clear objective, however, it can still be difficult to determine what information is truly relevant. One strategy for combating this is to make a physical list of data points ranked in order of relevance. When you parse it out this way, you’ll likely end up with a list that includes a couple of obviously relevant pieces of information at the top of your list, in addition to some points at the bottom that you can likely disregard. From there, you can narrow your focus on the less clear-cut topics that reside in the middle of your list for further evaluation.

6. Curiosity

It’s incredibly easy to sit back and take everything presented to you at face value, but that can also be also a recipe for disaster when faced with a scenario that requires critical thinking. It’s true that we’re all naturally curious—just ask any parent who has faced an onslaught of “Why?” questions from their child. As we get older, it can be easier to get in the habit of keeping that impulse to ask questions at bay. But that’s not a winning approach for critical thinking.

How to improve: While it might seem like a curious mind is just something you’re born with, you can still train yourself to foster that curiosity productively. All it takes is a conscious effort to ask open-ended questions about the things you see in your everyday life, and you can then invest the time to follow up on these questions.

“Being able to ask open-ended questions is an important skill to develop—and bonus points for being able to probe,” Potrafka says.

Put your critical thinking skills to work

Critical thinking skills are vital for anyone looking to have a successful college career and a fruitful professional life upon graduation. Your ability to objectively analyze and evaluate complex subjects and situations will always be useful. Unlock your potential by practicing and refining the six critical thinking skills above. 

Most professionals credit their time in college as having been crucial in the development of their critical thinking abilities. If you’re looking to improve your skills in a way that can impact your life and career moving forward, higher education is a fantastic venue through which to achieve that. For some of the surefire signs you’re ready to take the next step in your education, visit our article, “6 Signs You’re Ready to Be a College Student.”

EDITOR’S NOTE: This article was originally published in December 2012. It has since been updated.

RELATED ARTICLES:

Strauss, Leo (1899-1973) Judeu alemão, combatente da Grande Guerra de 1914-1918, doutora-se em Hamburgo em 1921. Assistente da Academia Judaica de Investigação em Berlim, de 1925 a 1932. Bolseiro da Fundação Rockefeller desde esta última data, trabalha em Inglaterra e em França, até emigrar para os Estados Unidos em 1940, naturalizando-se quatro anos depois. Professor de ciência política na New School for Social Research de Nova Iorque (1938-49), na University of Chicago (1949-68), Claremont (California) Men's College (1968-69), e no St. John's College, Annapolis (1969-73). Um dos principais defensores do movimento neoclássico, pugnando pelo regresso à filosofia política pré-moderna, contra as heranças do maquiavelismo, do iluminismo e do cientismo positivista. A ideia de direito natural Considera que o direito natural é um padrão do justo e do injusto que é independente do direito positivo e que lhe é superior: um padrão pelo qual somos capazes de julgar o direito positivo. Um padrão mais elevado e menos mutável que o próprio ideal de sociedade: há no homem qualquer coisa que não está totalmente sujeita à sua sociedade e, por conseguinte, que somos capazes e, portanto, obrigados a procurar um padrão que nos permita julgar o ideal da nossa sociedade ou de qualquer outra. Contudo, todo o direito natural é variável…Os princípios do direito natural, os axiomas donde derivam as regras particulares são universais e imutáveis; o que muda são as regras particulares … Há uma hierarquia universalmente válida de fins, mas não há regras de conduta universalmente válidas… O único critério universlamente válido é a hierarquia de fins. A procura do melhor regime O direito natural, que se identifica com a procura racional do melhor regime político (politeia) e que, neste sentido é parte integrante do direito político foi destruído pelas três waves of modernity. Waves of modernity A primeira onda de choque, que teve o respectivo epicentro em Maquiavel, foi propagada pelo movimento da Razão de Estado, laicizante, católica ou protestante a segunda veio a ser desencadeada pelo jusracionalismo e pelo iluminismo, levando à vitória da burguesia durante o século XIX; o choque da terceira onda da modernidade, com o positivismo e o historicismo, depois de Marx, Nietszche e Freud. Com efeito, a partir de Maquiavel, deu-se um rebaixamento dos fins, o abandono do modelo ideal, da teleologia natural, da ideia greco-latina de um kosmos natural, hierarquizado e objectivo, com a redução do problema moral e político a mero problema técnico. Com Hobbes, acabou o primado da perfeição, da virtude e do dever, passando a preponderar os direitos.  Segue-se o historicismo, o abandono du padrão de dever-ser, de uma ideia que transcende a própria história, passando a haver uma coincidência do racional e do real, do dever-ser e do ser. A partir de então, a teoria passa a estar ao serviço da prática, torna-se inteligência do que a prática engendrou, a inteligência do actual, e deixou de ser a procura do que devia ser: … deixou de ser teoricamente prática. O direito natural surge assim como um espaço de conciliação entre o humanismo laico e o humanismo cristão. Não admira, aliás, que a perspectiva de regresso ao direito natural atravesse diacronicamente o cristianismo e mergulhe na raiz romana e helénica do estoicismo, assumindo aquelas dimensões panteístas que identificam Deus com a natureza ou esta com a própria razão. Na verdade, mesmo para um católico, o jusnaturalismo não tem de ser confessional, dado que as doutrinas sociais, jurídicas e políticas expressas por um autor católico se destinam a todos os homens de boa vontade. A defesa do regresso à filosofia política foram os autores dos séculos XVII e XVIII que passaram a considerar a teoria como algo que está ao serviço da prática, a uma depreciação e a um cepticismo face à teoria conosiderada, pejorativamente, como algo de metafísico. Para ele "a teoria política torna-se inteligência do que a prática engendrou, a inteligência do actual, e deixou de ser a procura do que devia ser: a teoria política deixou de ser teoricamente prática... para se tornar puramente teórica no sentido em que a metafísica (e a física) eram tradicionalmente compreendidads como puramente teóricas. É então que apareceu um novo tipo de teoria, de metafísica, tendo por tema supremo a actividade humana  e o que ela engendra mais que a totalidade que não de maneira nenhuma objecto da actividade humana" considera que "a filosofia ou ciência - a mais alta actividade do homem - é a tentativa de substituir opiniões acerca de todas as coisas pelo conhecimento de todas as coisas", pelo que "respeitar opiniões é algo completamente diferente de aceitá-las  como sendo verdadeiras" porque haveria um verdadeiro ensinamento, o ensinamento esotérico, e o "ensinamento socialmente útil, ou seja, o ensinamento exotérico; enquanto este  é de compreensão fácil para qualquer leitor, aquele só se revela aos leitores muito bem e cuidadosamente preparados, após um estudo demorado e concentrado". a maior parte das nossas relações sociais tem carácter inconsciente e que cada membro da sociedade tem, desta, uma visão que não corresponde à realidade do todo Urge, como diz Leo Strauss, "conhecer realmente a natureza das coisas políticas". Um conhecer realmente que tem de ser partir da opinião para chegar-se ao conhecimento, segundo os modelos da tradição socrática, isto é através de um "esforço consciente, coerente e infatigável tendente a substituir por conhecimento opiniões sobre os fundamentos da política". Uma procura da verdade que é o acordo entre seres diferenciados, acordo que se inscreve na natureza das coisas. falar em doutrinarismos, considerando como tal uma visão nascida no século XVIII por certo jusracionalismo que concebia uma ordem social justa válida para qualquer lugar e qualquer tempo, independentemente das circunstâncias. Algo completamente diferente do gradualismo do direito natural de conteúdo relativo, variável ou progressivo, que sempre considerou que  há uma variedade de regimes políticos legítimos, conforme as circunstâncias e estando todos dependentes da arte de governar e não das boas intenções dos governantes. influenciado também pelo neo-hegelianismo de Croce, defendendo a procura do valor ético do bem político e a necessidade de se estudar a coisa política através de um discurso sobre os fins.

que "toda a acção política tem em si uma orientação para o conhecimento do bonum :tanto da vida como da sociedade boa".

  "Em Hobbes, a razão, usando a sua autoridade,              tinha libertado a paixão... Em Rousseau é a própria paixão,       ela mesmo, que toma a iniciativa e se revolta. Usurpando o lugar da razão e renegando  com indignação            o seu passado libertino, a paixão começa a estigmatizar com a virtuosa severidade de um Catão as torpezas da razão"   "Nenhuma visão da totalidade, e mais particularmente     nenhuma visão da totalidade da vida humana, não pode ter a ambição de ser definitiva  ou universalmente válida. Toda a doutrina que se pode crer decisiva será mais tarde ou mais cedo substituída por outra"

Noutra perspectiva, Leo Strauss em Natural right and history, obra editada em 1953, mas recolhendo conferências proferidas em Chicago, quatro anos antes, representa uma posição jusnaturalista marcada pelo humanismo laico neo-clássico.

Aliás, para Luc Ferry e Alain Renaut "o regresso à concepção antiga do direito natural apresenta a dupla vantagem, contra o historicismo, de restaurar uma transcendência do justo ( uma distinção do ideal e do real) e, contra o positivismo, de enraizar a validade dos valores jurídicos na própria objectividade - conferindo, assim, às normas uma consistência que ameaça, em vez de lhe retirar, nos Modernos, o enraizamento dos valores na subjectividade"

Posição próxima à de Hannah Arendt, já referida, onde o existencialismo é reentusiasmado por um vitalismo romântico, ou de H. -G. Gadamer, onde numa linha de inspiração fenomenologista e hermenêutica se defende o primado da política sobre o direito e a economia.

Para Strauss o direito natural é a lei universal do justo e do injusto e foi o respectivo abandono que gerou o niilismo:"se os nossos princípios não têm outro fundamento senão as nossas preferências cegas, seja o que for que o homem queira fazer, isso ser-lhe-á lícito".

Para ele "rejeitar o direito natural equivale a dizer que todo o direito é positivo, por outras palavras que o direito é determinado exclusivamente pelos legisladores e pelos tribunais dos diferentes países. Ora é evidente que é perfeitamente razoável e por vezes até necessário falar de leis ou de decisões injustas", pelo que se torna necessário "um padrão do justo e do injusto que é independente do direito positivo e lhe é superior".

Trata-se de um padrão mais elevado que o ideal mutável da nossa sociedade, dado que "há no homem qualquer coisa que não está totalmente sujeita à sua sociedade e por conseguinte que somos capazes, e portanto obrigados, a procurar um padrão que nos permita julgar o ideal da nossa sociedade ou de qualquer outra".

Com efeito, Strauss considera que o natural tem a ver com a natureza, devendo ser entendido segundo o conceito socrático, isto é, com uma coisa na sua inteireza ou perfição. Ora, deste conceito de natureza não pode inferir-se que é bom o que está ou que é bom o que é antigo. A natureza é sempre algo de mais antigo do que o que estabeleceram os fundadores de uma determinada comunidade, implicando o desejo de conhecimento da ordem eterna e levando, inclusive, a que se considere que uma vida privada, que uma vida dedicada à procura do conhecimento, é melhor que uma vida política.

Strauss, cuja biografia intelectual foi desde sempre marcada pelo combate contra os monstros sagrados da modernidade, nomeadamente Maquiavel, Hobbes e Schmitt, considera que os principais adversários do direito natural são o historicismo, filiado no idealismo alemão, e o positivismo.

Para ele um dos principais erros da modernidade pós-maquiavélica foi o de, partindo do princípio que a realização de um melhor regime é altamente improvável, tratou de rebaixar o nível e de considerarem de forma revolucionária que o melhor regime pode ser realizado em qualquer parte.

O que sempre importaria é a procura da "ordem política certa ou boa" e do "melhor regime"

Todo este ambiente de neo-jusnaturalismo marca  o neo-liberalismo ético e conservador de Hayek que, no seu classicismo se distancia de Popper e John Rawls, mais próximos do jusracionalismo iluminista. Contudo, ambos se distanciam tanto do organicismo da nova direita

como do pan-racionalismo da velha nova esquerda, que teve em Marcuse um dos principais epígonos. o nome politeia designa a forma de governo entendida como a forma da polis, isto é, como aquilo que dá à cidade o seu carácter, determinando o fim que a polis em questão prossegue, ou aquilo que ela sonha de forma mais transcendente, e simultaneamente, o género de homens que governa a cidade. A partir da modernidade, desencadeada com a Renascença, começa um longo processo de decadência da filosofia política, provocada pelas sucessivas ondas da modernidade que tiveram o epicentro em Maquiavel, desde o movimento da razão de Estado, laicizante, católica e protestante, a que se seguiram o iluminismo e o cientismo, para utilizarmos a metáfora de Leo Strauss

principalmente pelo apelo que faz ao regresso ao direito natural e à sua lei universal do justo e do injusto, um padrão que não serviria apenas para aferir da validade do direito estabelecido, posto, positivo, mas algo de mais global que também seria mais elevado que o ideal mutável da nossa sociedade, dado que há no homem qualquer coisa que não está sujeita à sua sociedade e por conseguinte que somos capazes, e portanto obrigados, a procurar um padrão que nos permita julgar o ideal da nossa sociedade ou de qualquer outra.

O padrão deveria ser o conceito socrático de natureza, a coisa na sua inteireza ou perfeição. Um padrão que até se não identificaria com a ideia de ser bom aquilo que é antigo, dado que este tipo de natureza até é sempre mais antigo do que aquilo que foi estabelecido pelos fundadores de uma determinada comunidade, prendendo-se com a própria ordem eterna.

Neste sentido, o direito natural seria sempre equivalente à procura do melhor regime, contrariando certa tendência da modernidade, de extracção maquiavélica, que considerando a realização desse melhor regime como altamente improvável, tratou de baixar os níveis e de considerar que o melhor regime    Leo Strauss , é a tentativa de substituir a opinião sobre todas as coisas pelo conhecimento de todas as coisas, a passagem do exotérico, do socialmente útil, daquilo que é compreensível por qualquer leitor, ao esotérico, isto é, aquilo que só se revela depois de um estudo demorado e concentrado. Porque a ciência, para utilizarmos as     ·Die Religionskritik Spinozas als Grundlage seiner Bibelwissenschaft: Untersuchungen zu Spinozas Theologisch-politischen Traktat Berlim, Akademie Verlag cfr. trad. ingl. Spinoza’s Critique of Religion, Chicago, The University of Chicago Press. ·Philosophie und Gesetz: Beitrage zum Voerstandnis Maimunis und seiner Vorlaufer cfr. trad. fr. com pref. de Rémy Brague, Maïmonide, Paris, Presses Universitaires de France, 1988. ·The Political Philosophy of Hobbes: its basis and its genesis Oxford, Clarendon Press, 1936. ·On Tyranny. An Interpretation of Xenophon’s “Hiero” Nova York, Political Science Classics, 1948 cfr. trad. fr. Paris, Éditions Gallimard, 1954; nova ed. de Victor Gourevitch e de Michael S. Roth, On Tyranny. Revised and Expanded Edition. Including the Strauss-Kojève Correspondence, Nova York, The Free Press of Glencoe, 1991. ·Persecution and the Art of Writing Nova York, The Free Press of Glencoe, 1952 cfr. trad. fr. La Persécution et l'Art d'Écrire, Paris, Presses de la Cité, Agora, 1989. Obra que reúne ensaios publ. entre 1941 e 1948. ·Natural Right and History Chicago, The University of Chicago Press, 1953 cfr. trad. fr. Droit Naturel et Histoire, Paris, Librairie Plon, 1954. ·What is Political Philosophy? Nova York, The Free Press of Glencoe, 1959 cfr. trad. fr. de Olivier Sedeyn, Qu'est-ce que la Philosophie Politique?, Paris, Presses Universitaires de France, 1992. ·History of Political Philosophy Chicago, Rand MacNally & Co., 1963. Com Joseph Cropsey, Ed. ·The City and Man Chicago, Rand MacNally, 1964. ·Liberalism Ancient and Modern 1968 cfr. trad. fr. Libéralisme Antique et Moderne, Paris, Presses Universitaires de France, 1990. ·Xenophon's Socrates Ithaca, Nova Iorque, 1972. ·The Argument and the Action of Plato's Laws  Chicago, The University of Chicago Press, 1973. Obra póstuma, com ensaios datados desde 1967. ·Studies in Platonic Political Philosophy Chicago, 1983. ·An Introduction to Political Philosophy. Ten Essays by Leo Strauss ed. de Hilail Gildin, Detroit, Wayne State University, 1989.     Drury, Shadia, The Political Ideas of Leo Strauss, Basingstoke, Hampshire, Macmillan, 1988. Miller, Eugene F., «A Recuperação da Filosofia Política», in Crespigny, Anthony, Minogue, Kenneth R., Filosofia Política Contemporânea, trad. port., Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1982, pp. 73 segs.. Udoff, Alan, ed., Leo Strauss's Thought. Toward a Critical Engagement, Boulder, Lynne Riener, 1991. Châ telet, François, Pisier-Kouchner, Evelyne, Les Conceptions Politiques du XXème Siècle. Histoire de la Pensée Politique, Paris, Presses Universitaires de France, 1981, pp. 825 segs.. Edmond, Michel-Pierre, «Leo Strauss», in Dictionnaire des Oeuvres Politiques, pp. 781-794. Possenti, Vittorio, A Boa Sociedade. Sobre a Reconstrução da Filosofia Política, Lisboa, IDL - Instituto Adelino Amaro da Costa, 1986, pp. 48 segs..  

0 thoughts on “Podecrer Critical Thinking”

    -->

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *